quarta-feira, 7 de abril de 2010

TAV e Viracopos são tema de debates


7/4/2010
Correio Popular (SP)

Os dois grandes projetos de infraestrutura que prometem alavancar a economia e transformar Campinas em um terminal aeroferroviário, ou seja, ponto para início e conclusão de vôos e trens, estarão em discussão hoje na cidade. Na Caixa Econômica Federal, o debate será sobre os impactos habitacionais que ocorrerão no traçado do trem de alta velocidade (TAV) que ligará Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro. Na Escola Superior de Administração, Marketing e Comunicação (Esamc), a discussão será sobre a ampliação do Aeroporto de Viracopos, seus impactos econômicos e as desapropriações.
   
"Temos que esgotar as discussões sobre o tema porque os desdobramentos são muito relevantes", disse o presidente da Associação Regional da Habitação (Habicamp), Francisco de Oliveira Lima Filho. A Habicamp promove, às 18h, o debate sobre o TAV, que terá a presença do diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Bernardo Figueiredo, e do presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (Abifer), Vicente Abate.
   
"Não só a construção do trem, mas as obras civis para a viabilização de todo o traçado e, ainda, o potencial de desenvolvimento ao longo do trajeto e ao redor das estações formam um conjunto de oportunidades que precisa ser aproveitado ao máximo por Campinas", disse o presidente do Centro de Negócios e Informação de Campinas (Cenic-Trade Point), Márcio Barbado.
   
A Prefeitura de Campinas identificou que o potencial imobiliário das áreas próximas às futuras estações do trem de alta velocidade (TAV) em Campinas é de R$ 20,8 bilhões, segundo estudo elaborado pelo escritório do arquiteto e urbanista Jaime Lerner e divulgado ontem à empresários de Campinas. Com esse estudo, a Prefeitura indicou aos futuros construtores e operadores do trem os locais onde poderão investir e qual o Valor Geral de Venda (VGV) dessas áreas. A exploração do entorno das estações é uma das condições que os consórcios têm imposto para disputar a concessão de exploração, porque essas áreas irão gerar receitas extras ao empreendimento e possibilitar a oferta de tarifa mais barata aos passageiros do trem-bala.
   
Na Escola Superior de Administração Marketing e Comunicação (Esamc), de Campinas, ocorre, às 19h30, uma palestra sobre a ampliação do Aeroporto Internacional de Viracopos, os impactos econômicos e as desapropriações decorrentes. O juiz federal e professor do curso de Direito da Esamc, Raul Mariano Júnior, vai abordar o modo como as desapropriações vão ocorrer, e o economista e professor Anderson Pelegrino falará sobre os impactos econômicos da ampliação do aeroporto para a sociedade campineira. De acordo com Marcelo Scudeler, coordenador do curso de Direito da faculdade, haverá uma discussão interdisciplinar. "A ampliação do aeroporto vai trazer implicações jurídicas e econômicas e sociais para os moradores de Campinas. É importante que as pessoas participem e se informem sobre o assunto", afirmou o coordenador.


SAIBA MAIS
   
Tema - TAV: Últimas Novidades e os Impactos Habitacionais no seu Traçado
   
Local - Auditório da Caixa Econômica Federal, acesso pela Rua Barão de Jaguara s/n°, esquina com Barreto Leme, 3°. andar
   
Horário - 18h
   
Tema - Aeroporto Internacional de Viracopos: Impactos Econômicos e Desapropriações
   
Local: Esamc, Rua José Paulino, 1.345
   
Horário - 19h30

Campinas inicia obras de anel viário este mês


7/4/2010
Correio Popular (SP)

O projeto do Anel Viário Engenheiro Rebouças, idealizado para desafogar o trânsito do Centro e interligar bairros periféricos de Campinas sem passar pela área central da cidade, começa a sair do papel neste mês. As obras complementares do anel são avaliadas em R$ 7,6 milhões e incluem a construção de mais uma pista na marginal do Córrego Piçarrão e a instalação de um acesso direto da Avenida Prestes Maia (uma das principais entradas do município) para o complexo de túneis Joá Penteado. Um dos objetivos é duplicar trechos da marginal que levam aos túneis.
   
A notícia foi dada ontem por Osmar Costa, secretário municipal de Infraestrutura, que prevê um período de um ano para a conclusão da obra. Além de criar uma nova opção de interligação viária entre os bairros, a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) calcula que o uso alternativo do Anel Rebouças resulte na redução de pelo menos 7 mil veículos por dia na região central.
   
Costa disse acreditar que o anel vai facilitar o acesso dos veículos que pretendem cruzar a cidade sem passar pelo Centro ou vão utilizar o Terminal Multimodal Ramos de Azevedo, onde estão a nova rodoviária e o Terminal Metropolitano. "O Anel Rebouças vai possibilitar, por exemplo, o desvio de ônibus rodoviários, fretados e os veículos de carga que não têm como destino o Centro de Campinas."
   
Uma obra a ser realizada nos próximos 12 meses será o acesso direto da Avenida Prestes Maia até a Avenida Prefeito José Roberto Magalhães Teixeira, em frente à concessionária Honda Dahruj. Esse acesso vai evitar o retorno atual que os veículos são obrigados a fazer à direita, passando por dois semáforos e, depois, passar pelo pontilhão da Prestes Maia, no sentido bairro-túnel.
   
Outra prevê a conclusão da marginal esquerda do Córrego Piçarrão. Será o acréscimo de uma faixa de circulação na Avenida Prefeito José Roberto Magalhães Teixeira, no sentido Centro-bairro, passando ao lado do 2° Distrito Policial, no bairro São Bernardo. A pista atual vai deixar de ser mão dupla. "A proposta é garantir a fluidez do tráfego que atualmente afunila nos viadutos, que têm apenas duas faixas de rolamento, contra as três do restante da Avenida Prestes Maia, e facilitar o acesso à região central pelo Túnel Joá Penteado" , explicou.
   
A Avenida Prestes Maia tem um fluxo de cerca de 60 mil veículos diários nos dois sentidos. A avenida é uma das principais entradas da cidade e faz ligação com as rodovias Anhanguera, Bandeirantes e Santos Dumont. Os veículos que chegam das rodovias Anhanguera, Bandeirantes e Santos Dumont pela via poderão acessar o Túnel Joá Penteado, por exemplo, sem passar pela região do Centro e sem fazer contornos em semáforos. Além disso, milhares de veículos chegam da região Sul e do Aeroporto de Viracopos pela mesma avenida.
   
O Anel Rebouças atravessa diversos bairros que circundam a área central. A maior parte das avenidas já está pronta. Elas formarão um grande corredor, com a Marginal Piçarrão, Avenida Norte-Sul e as vias Luiz Smanio e Alberto Sarmento, entre outras. O trajeto completo começa na Vila Industrial e segue pelos bairros Bonfim, Castelo, Taquaral, Cambuí, Jardim Guarani, Jardim Proença, Ponte Preta, Vila Marieta,Vila João Jorge e volta à Vila Industrial.
   
Depois da conclusão das obras na região da Marginal Piçarrão, a Emdec deverá instalar placas em todo o entorno da cidade induzindo o uso do Anel Rebouças para chegar às diversas regiões e evitar o uso da área central.
   
Costa disse que os recursos para as obras que faltam integram os R$ 18 milhões liberados pelo governo federal por meio do PAC da Mobilidade para a conclusão do Túnel Joá Penteado. A obra do Túnel 2 consumiu R$ 9 milhões e o restante será utilizado em obras complementares na região do Complexo Joá Penteado, incluindo estas obras do Anel Rebouças. Costa afirmou ainda que os recursos já estão em uma conta na Caixa Econômica Federal (CEF), que já examinou os projetos e encaminhou para análise do Ministério das Cidades.
   
"Falta apenas o sinal verde do ministério, fato que deverá ocorrer nos próximos dias", garantiu o secretário. A concorrência para execução das obras já foi concluída e a empresa vencedora escolhida. "A expectativa é que até o final de abril saia a ordem de serviço, dando início às obras do anel viário", afirmou.


Só corredor não resolve, diz técnico

   
A criação do Anel Viário Engenheiro Rebouças deverá aliviar o fluxo de veículos no Centro, mas outras medidas precisam ser adotadas para evitar congestionamentos e transtornos no trânsito. Essa é a opinião do engenheiro Diógenes Cortijo Costa, do Departamento de Transporte e Geotecnia da Faculdade de Engenharia Civil da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
   
Costa defendeu a criação do anel intermediário atrelada ao trabalho de informação aos usuários. "O anel vai fazer a ligação de bairros periféricos sem a necessidade de uso do Centro da cidade, mas há necessidade de uma sinalização bem executada e de um programa de orientação do tráfego" , disse. "Com o programa e a sinalização, o anel Rebouças será uma boa alternativa, pois haverá um ganho de fluidez no trânsito" , comentou. O engenheiro disse também que a criação de linhas de ônibus do transporte coletivo nesta região pode ajudar também a dividir melhor o fluxo de veículos na cidade. Com uma frota de 684,5 mil veículos em Campinas e com a circulação de carros de toda a Região Metropolitana de Campinas (RMC), o engenheiro afirmou que será necessário também utilizar as linhas férreas abandonadas na cidade para criar corredores estruturais, ou seja, para fazer também ligações específicas para as diversas regiões de Campinas. Flávio Ramos, vendedor que utiliza a região da Prestes Maia todos os dias, aprovou as mudanças anunciadas. "Espero que outras medidas venham junto com as obras, pois a cidade cresce mais rápido do que o ritmo das obras." (GR/AAN)