terça-feira, 8 de junho de 2010

Prefeitura negocia novo trajeto para anel viário


8/6/2010
Correio Popular (SP)

A Prefeitura de Campinas negocia com a Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) um novo trajeto para o prolongamento do Anel Viário José Roberto Magalhães Teixeira (SP-83), que ligará as rodovias D. Pedro I, Anhanguera e Bandeirantes ao Aeroporto Internacional de Viracopos. O caminho, apesar de aumentar em mais três quilômetros o inicial, exclui qualquer ligação com o trecho urbano e proporciona uma via direta com o aeroporto na área destinada à carga e descarga, já dentro do projeto de ampliação.
    
A solicitação do novo trajeto foi feita pelo prefeito Hélio de Oliveira Santos (PDT) ao ex-governador José Serra (PSDB) pouco antes de ele deixar o governo para concorrer à Presidência da República. O pedido, então, foi encaminhado à Artesp, que agora analisa a proposta. O Correio apurou que o novo trajeto foi recebido com entusiasmo pelos técnicos da agência, principalmente por causa das garantias de maior segurança e fluidez no trânsito. Hoje, o anel viário já é a principal ligação entre a Rodovia D. Pedro I e o aeroporto, porém utilizando-se de trechos urbanos em Campinas.


Projeto
    
No novo trajeto, o anel viário interceptará a Rodovia dos Bandeirantes no Km 85, próximo ao posto da Polícia Militar Rodoviária, e contornará toda a região Sul de Campinas, passando atrás de bairros como o Jardim Mariza e o São Domingos. No projeto original, a ligação seria feita pela Rodovia Miguel Melhado Campos (SP-324), cortando os bairros. "A Prefeitura não quer isso. Por isso, propusemos o novo trajeto ao governo do Estado, que agora analisa a proposta. Essa é a melhor solução, principalmente para quem vem de São Paulo para chegar até Viracopos", disse o secretário municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano, Alair Roberto Godoy.
    
O novo trajeto consta do estudo para elaboração da Macrozona 7, na região do aeroporto internacional, cujo principal objetivo é o esvaziamento da população e o desenvolvimento industrial, principalmente do setor logístico. O estudo, segundo o secretário, está em fase final, aguardando ajustes por parte da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). As correções estão relacionadas à recente portaria do governo federal que trata dos ruídos de aeronaves e do zoneamento em áreas especiais do município. "A intenção é impedir qualquer adensamento populacional na região, de forma a dar vazão ao aeroporto", disse Godoy.
    
A Artesp, por meio de sua assessoria, confirmou a solicitação feita pela Prefeitura de Campinas e informou que o pedido está sendo analisado. A Rota das Bandeiras, concessionária que administra o anel viário, considera o projeto anterior por ainda não ser notificada oficialmente da nova proposta. Segundo sua assessoria, após a apresentação, a empresa vai estudar sua viabilidade. De acordo com o cronograma da Rota das Bandeiras, a primeira etapa do prolongamento do anel viário, entre as rodovias Anhanguera e Bandeirantes, deve ser iniciada em abril de 2011, enquanto a segunda, que seria da Bandeirantes até a SP-324 e ao aeroporto, está prevista para abril de 2013.
    

O NÚMERO


118 MIL
Veículos trafegam diariamente pelo Corredor D. Pedro
    

Macrozona 9 prevê dois viadutos sobre Anhanguera
    
Projeto deverá ser encaminhado à votação na Câmara até o final do mês
A Prefeitura de Campinas planeja a construção de dois viadutos sobre a Rodovia Anhanguera. A previsão consta do projeto da Macrozona 9, que abrange parte da região Noroeste e deve ser encaminhado até o final do mês à Câmara de Vereadores para votação. Outro projeto, o da Macrozona 8, que abrange parte da região Norte da cidade, também está pronto e deve ser encaminhado na mesma data.
    
Segundo o projeto, o primeiro viaduto será construído na Avenida Papa João Paulo I, no Jardim Nova Aparecida, e fará a ligação com a Estrada Municipal do Pari, ao lado do condomínio empresarial Techno Park. O viaduto terá cerca de 250 metros e será a principal ligação entre as regiões. O objetivo da Prefeitura é tirar o tráfego de veículos da rodovia e colocá-lo na ligação, principalmente com o eixo de desenvolvimento logístico às margens da Rodovia D. Pedro I até a Estrada dos Amarais.
    
O outro viaduto - uma extensão da Avenida Marechal Rondon - poderá ser construído sobre a Anhanguera até a área do Jockey Club. Neste caso, a obra aliviaria o tráfego da Avenida Lix da Cunha, importante ligação com outros municípios da região, por onde passa o Corredor Noroeste. Nas duas macrozonas, as principais diretrizes referem-se ao adensamento populacional, criação de subcentros, preservação e recuperação de áreas verdes e centros de logística. (VBF/AAN)